10 de janeiro de 2012

Ao Vento



O vento passa a rir, torna a passar,
Em gargalhadas ásperas de demente;
E esta minh’alma trágica e doente
Não sabe se há-de rir, se há-de chorar!

Vento de voz tristonha, voz plangente,
Vento que ris de mim sempre a troçar,
Vento que ris do mundo e do amor,
A tua voz tortura toda a gente! ...

Vale-te mais chorar, meu pobre amigo!
Desabafa essa dor a sós comigo,
E não rias assim ! ... Ó vento, chora!

Que eu bem conheço, amigo, esse fadário
Do nosso peito ser como um Calvário,
e a gente andar a rir pla vida fora!! ...

Florbela Espanca

2 comentários:

  1. É bom reler Florbela Espanca. Tenho os livros dela e gosto de "saborear" os sonetos que ela nos deixou.

    ResponderEliminar
  2. Tenho pela obra desta mulher uma admiração extraordinária !
    .

    ResponderEliminar