17 de janeiro de 2012

Depois da Chuva


Abre a janela, e olha!
Tudo o que vires é teu.
A seiva que lutou em cada folha,
E a fé que teve medo e se perdeu.
Abre a janela, e colhe!
É o que quiser a tua mão atenta:
Água barrenta,
Água que molhe,
Água que mate a sede...
Abre a janela, quanto mais não seja
Para que haja um sorriso na parede!


(Miguel Torga)

3 comentários:

  1. Adorei essa do sorriso na parede! Miguel Torga, um grande, grande escritor e poeta... :D

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  2. A imagem é deliciosa, mas o poema de Torga é extraordinariamente belo.
    Como é toda a poesia do autor de S. Martinho de Anta.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  3. Realmente belo. Uma égide a um novo dia, a uma nova esperança.

    ResponderEliminar