22 de setembro de 2012

Outono



Outono vem em vulvas claridades...
Vamos os dois esp'rá-lo de mãos dadas:
Tu, desfolhando as rosas das estradas,
E eu, escutando o choro das saudades...

Outono vem em doces suavidades...
E a acender fogueiras apagadas
Andam almas no céu ajoelhadas...
E a terra reza a prece das Trindades.

Choram no bosque os musgos e os fetos.
Vogam nos lagos pálidos e quietos,
Como gôndolas d'oiro as borboletas.

Meu amor! Meu amor! Outono vem...
Beija os meus olhos roxos, beija-os bem!
Desfolha essas primeiras violetas|....

(Florbela Espanaca)

2 comentários:

  1. Sem dúvida, esta mulher é especialíssima ! Sempre que a leio, em cada soneto, fico maravilhado !
    O soneto é para mim, a melhor forma de exteriorizar um sentimento, em poesia ! ... e ninguém melhor que ela para o fazer !
    .

    ResponderEliminar
  2. Não sendo especialmente fã de poesia, adoro Florbela.
    Boa estadia nessa paisagem maravilhosa
    Beijinho

    ResponderEliminar