18 de novembro de 2012

Gato que brincas na rua




Gato que brincas na rua 
Como se fosse na cama,
Invejo a sorte que é tua
Porque nem sorte se chama.

Bom servo das leis fatais
Que regem pedras e gentes,
Tu tens instintos gerais
E sentes só o que sentes.

És feliz porque és assim,
Todo o nada que és é teu.
Eu vejo-me e estou sem mim,
Conheço-me e não sou eu.


(Fernando Pessoa)

2 comentários:

  1. Por vezes temos inveja (da boa) dos gatos que vivem despreocupados, das aves que voam livres no céu... ou então temos saudades da vida que tivemos em criança.
    Ainda assim, acho que a vida nos traz mais coisas boas que más. Uma delas é o poder de decidir o que fazer com ela.


    Um beijinho abnegado
    (^^)

    ResponderEliminar
  2. Pessoa “é invejoso” e a razão dessa inveja é da mera felicidade que existe quando se vivem as coisas sem pensar e sem noção ! Mais vale ser plenamente “nada” (como o gato, porque “é simplesmente assim”) do que ser como Pessoa, conhecedor das situações e por isso mesmo não poder ser completamente feliz !
    A felicidade maior existe, do desconhecimento geral e da ausência de expectativas e não quando se é inteligente, conhecedor das realidades e quando se tem tudo !
    .

    ResponderEliminar