17 de março de 2013

NUMA TARDE DE CHUVA






Cai uma chuva fina e sonolenta,
dessas que custam...custam...a passar,
e nesta tarde baça e friorenta,
chega até dar preguiça de pensar...

Até minha alma parece cinzenta
- cinzenta e fria... Como versejar
nesta apatia, se o que mais me tenta
é a minha cama, ali, a me chamar?...

Melhor deixar pra lá a poesia
e entre os meus cobertores ir tentar
me aquecer... dormir... talvez sonhar...

- Sonhar com um céu azul de um lindo dia,
onde entre luzes, cores - pelos ares -
revoem versos, rimas e cantares!....

(Eloah Borda)


10 de março de 2013

És Linda






És linda. E nem sabes quantos pedaços de beleza tive de juntar para chegar a esta conclusão. Para te construir, tive de misturar a conspiração das searas com a tristeza do choupo, a inquietação da cotovia com o cheiro lavado do vento do ocidente. E a firmeza repartida dos livros, com a alegria explosiva dos miosótis e a luz escura das violetas. Juntei depois um pouco de ansiedade das estrelas, a paciência das casas à beira da falésia, a espuma da terra, o respirar do sul, as perguntas de gesso que se fazem à lua. Acrescentei-lhe a canção das margens e pequenos pedaços da angústia do olhar. Não esqueci a intimidade do frio nem a dor branca que habita o coração dos muros. Por fim, deitei na tua pele o sono dos alperces, aos teus músculos prometi a violência das cascatas, no teu sexo acordei a memória do universo.
A tua beleza está no meu desejo, nos meus olhos, na minha desigual maneira de te amar. És linda, repito. Mas tenta não encarar o que te digo como um elogio.

(Joaquim Pessoa)

5 de março de 2013

Os versos que te fiz




Deixa dizer-te os lindos versos raros
Que a minha boca tem pra te dizer!
São talhados em mármore de Paros
Cinzelados por mim pra te oferecer.

Têm dolência de veludos caros,
São como sedas pálidas a arder...
Deixa dizer-te os lindos versos raros
Que foram feitos pra te endoidecer!

Mas, meu Amor, eu não tos digo ainda...
Que a boca da mulher é sempre linda
Se dentro guarda um verso que não diz!

Amo-te tanto! E nunca te beijei...
E nesse beijo, Amor, que eu te não dei
Guardo os versos mais lindos que te fiz

(Florbela Espanca)

3 de março de 2013

A luz oblíqua



A luz oblíqua da tarde
Morre e arde
Nas vidraças

Nas coisas nascem fundas taças
Para a receber,
E ali eu vou beber.

A um canto cismo
Suspensa entre as horas e um abismo

A vibração das coisas cresce.
Cada instante
No seu secreto murmurar é semelhante
A um jardim que verdeja e que floresce.

 (Sophia de Mello Breyner)