31 de outubro de 2014


Estou perdidamente emaranhada
em seus fios de delícias e doçuras.
Já não encontro o começo da meada,
não sei nem mesmo
se há uma ponta de saída,
ou se a loucura
vai num ritmo crescente
até subjugar a minha vida.
Não importa.
Quero seus nós de seda
cada vez mais cegos e apertados
a me costurar nas malhas e nos pêlos.
Enquanto você me amarra,
permanece atado
na própria trama redonda do novelo

(Flora Figueiredo)

2 comentários:

  1. Nós de seda que prendem mais do que alguns de corda forte!
    Lindo!

    Beijinhos Marianos! :)

    ResponderEliminar
  2. A teia sempre fascinou os artistas. É verdade que (aparentemente) tem tudo para surtir esse efeito. No entanto...
    ... se ela é, para a aranha, a sobrevivência, o que reprsentará para a mosca?
    abraço.

    ResponderEliminar