12 de novembro de 2014

AMA-ME



Ama-me como se fosse hoje o último dia
Como se a terra parasse de repente
e Deus se resolvesse acabar com o mundo
que a ninguém pertence

Como se o sol em revolta ardesse de ciúmes
e de nós achasse que brilhamos mais
e que somos mais quentes

Ama-me sem dogmas e sem lei nenhuma
como tu bem sabes
Que o amor que nós temos
não suporta leis
nem tolera entraves

Fernando Campos de Castro
(In Inquietudes e outras Atitudes)

2 comentários:


  1. Que bonito Ju... não conhecia e fiquei absolutamente rendida!!
    Que grandioso é amar assim!!

    Beijinhos Inquietos
    (^^)

    ResponderEliminar
  2. Este poeta não é, parece-me, ainda muito conhecido. É meu "amigo" no facebook e tem poemas lindíssimos. Ou me engano muito, não sou perita na matéria, ou ainda se vai falar muito nele. É de V. N. Gaia, se não estou em erro, e vive na Maia.
    Tenho andado a fazer uns ensaios para lentes de contacto e ainda me custa andar por aqui. Vou ver se passo lá pelo teu cantinho.

    Beijinho da
    Ju

    ResponderEliminar