25 de janeiro de 2015

Passado, Presente, Futuro



Eu fui. Mas o que fui já me não lembra: 
Mil camadas de pó disfarçam, véus, 
Estes quarenta rostos desiguais. 
Tão marcados de tempo e macaréus. 

Eu sou. Mas o que sou tão pouco é: 
Rã fugida do charco, que saltou, 
E no salto que deu, quanto podia, 
O ar dum outro mundo a rebentou. 

Falta ver, se é que falta, o que serei: 
Um rosto recomposto antes do fim, 
Um canto de batráquio, mesmo rouco, 
Uma vida que corra assim-assim. 

(José Saramago)

2 comentários:

  1. A faceta poética de um grande escritor !
    Obrigado

    ResponderEliminar
  2. Lembrar Saramago é lembrar a boa qualidade.

    ResponderEliminar