6 de fevereiro de 2015

Da Tua Vida




Da tua vida o que não podem entender 
Nem oiro nem poder nem segurança 
Mas a paixão do Tempo e de seus riscos 
Tu buscaste o instante e a intensidade 
E foste do combate e da mudança 
Por isso um rastro de ruptura e de viagem 
Ou talvez este fogo inconquistado 
Como breve eternidade 
De passagem 


(Manuel Alegre)

2 comentários:


  1. Manuel Alegre não é um poeta fácil de se ler.
    Eu bem tento! ...

    É um consolo entrar aqui... pois o teu bom gosto enche-me os sentidos.

    Beijinhos Ju, a mulher linda escondida atrás da máscara...
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Malandreca!
      Gostava muito de brincar às escondidinhas! E adoro o Jardim de Santa Bárbara.
      Beijinho grande, amiga.

      Eliminar