8 de fevereiro de 2015

HAVIA UMA PALAVRA


Havia
uma palavra
no escuro.
Minúscula.Ignorada.

Martelava no escuro.
Martelava
no chão da água.

Do fundo do tempo,
martelava.
contra o muro.

Uma palavra.
No escuro
Que me chamava.


(EUGÉNIO DE ANDRADE)

1 comentário:

  1. Não querendo 'ultrapassar' Eugénio de Andrade, direi que há sempre uma palavra.
    Boa semana, Ju.

    ResponderEliminar