13 de novembro de 2015

Outono




O outono toca realejo
No pátio da minha vida. 

Velha canção, sempre a mesma, 
Sob a vidraça descida…

Tristeza? Encanto? Desejo? 
Como é possível sabê-lo? 
Um gozo incerto e dorido 
De carícia a contrapelo…

Partir, ó alma, que dizes? 
Colher as horas, em suma… 
Mas os caminhos do Outono 
Vão dar em parte nenhuma! 

(Mario Quintana)

Sem comentários:

Enviar um comentário