16 de fevereiro de 2016

ALEGRIA




Já ouço gritos ao longe
Já diz a voz do amor
A alegria do corpo
O esquecimento da dor

Já os ventos recolheram
Já o verão se nos oferece
Quantos frutos quantas fontes
Mais o sol que nos aquece

Já colho jasmins e nardos
Já tenho colares de rosas
E danço no meio da estrada
As danças prodigiosas

Já os sorrisos se dão
Já se dão as voltas todas
Ó certeza das certezas
Ó alegria das bodas


(José Saramago)

2 comentários:

  1. A excelência da escrita de José Saramago.
    Beijinho, Ju.

    ResponderEliminar
  2. Olá, Ju!

    Estive a dar uma olhadela ao seu blogue, e pelo que entendi, escolhe poemas de diversos poetas e publica-os no seu espaço.
    Tem muito bom gosto, devo acrescentar!

    Este poema é clássico, nitidamente, e mostra-nos todo o alvoroço pessoal e da natureza, quando dois corpos se vão unir.

    Gostei, também, muito das imagens que a Ju coloca para emoldurar os poemas. Esta tela é bela e francamente despretensiosa!

    Beijinhos e boa semana.

    ResponderEliminar