21 de abril de 2016

DA CONDIÇÃO HUMANA


Todos sofremos. 
O mesmo ferro oculto 
Nos rasga e nos estilhaça a carne exposta 
O mesmo sal nos queima os olhos vivos. 
Em todos dorme 
A humanidade que nos foi imposta. 
Onde nos encontramos, divergimos. 
É por sermos iguais que nos esquecemos 
Que foi do mesmo sangue, 
Que foi do mesmo ventre que surgimos.



(Ary dos Santos)

2 comentários:

  1. Se não dissesses de quem era eu não faria a menor ideia !
    Do Ary ficaram mais na nossa memória as letras das canções ! Nunca diria que era dele !

    Beijo, Ju ! :))

    ResponderEliminar
  2. Um poema de um homem jamais esquecido cá em casa.

    Beijinho Ju e um bom fim de semana.

    ResponderEliminar