29 de janeiro de 2017

PRAIA





Os pinheiros gemem quando passa o vento
O sol bate no chão e as pedras ardem.

Longe caminham os deuses fantásticos do mar
Brancos de sal e brilhantes como peixes.

Pássaros selvagens de repente,
Atirados contra a luz como pedradas,
Sobem e morrem no céu verticalmente
E o seu corpo é tomado nos espaços.

As ondas marram quebrando contra a luz
A sua fronte ornada de colunas.

E uma antiqüíssima nostalgia de ser mastro
Baloiça nos pinheiros.



(Sophia de Mello Breyner) 

1 comentário:

  1. É sempre um prazer passar por aqui e apreciar as tuas escolhas poéticas, Ju !
    ... E escolhes sempre, tão bem, as fotos para as acompanhar !...
    E cada composição nos deixa em pensamentos profundos e recolhidos !

    Beijinhos ! :)

    ResponderEliminar