21 de março de 2017

VERSOS


Versos! Versos! Sei lá o que são versos... 
Pedaços de sorriso, branca espuma, 
Gargalhadas de luz, cantos dispersos, 
Ou pétalas que caem uma a uma... 

Versos!... Sei lá! Um verso é o teu olhar, 
Um verso é o teu sorriso e os de Dante 
Eram o teu amor a soluçar 
Aos pés da sua estremecida amante! 

Meus versos!... Sei eu lá também que são... 
Sei lá! Sei lá!... Meu pobre coração 
Partido em mil pedaços são talvez... 

Versos! Versos! Sei lá o que são versos... 
Meus soluços de dor que andam dispersos 
Por este grande amor em que não crês... 

(Florbela Espanca)

4 comentários:


  1. Ai estes amores, este amores...
    Se não fossem incompreendidos, seriam flores.
    Seriam rosas ou quiçá flor-de-lis...
    Por causa deles, Florbela foi muito infeliz.

    Beijinhos em verso
    (^^)

    ResponderEliminar
  2. Tu sabes o quanto adoro os sonetos da Florbela Espanca !?
    Quantas vezes já o escrevi (mesmo aqui) ?... e por cada um (novo) que leio, mais fico a gostar desta mulher e da sua obra !

    Beijo

    ResponderEliminar
  3. Dizem que hoje é o dia da poesia, para mim todos os dias o são para ler excelentes escolhas como a tua!

    Beijinho Ju

    ResponderEliminar
  4. Gosto muito dos poemas de Florbela Espanca.

    ResponderEliminar