9 de junho de 2018

A FIGUEIRA



Este poema começa no verão,
os ramos da figueira a rasar
a terra convidavam a estender-me
à sua sombra. Nela
me refugiava como num rio.
A mãe ralhava: A sombra
da figueira é maligna, dizia.
Eu não acreditava, bem sabia
como cintilavam maduros e abertos
seus frutos aos dentes matinais.
Ali esperei por essas coisas
reservadas aos sonhos. Uma flauta
longínqua tocava numa écloga
apenas lida. A poesia roçava-
me o corpo desperto até ao osso,
procurava-me com tal evidência
que eu sofria por não poder dar-lhe
figura: pernas, braços, olhos, boca.
Mas naquele céu verde de Agosto
apenas me roçava, e partia.


(Eugénio de Andrade)

2 comentários:

  1. Magnifica imagem e o poema!

    Bom domingo e um beijinho Ju

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Adélia!

      Beijinho doce, como um figo de mel!

      Eliminar